Páginas

Esquece a bicicleta caloi e vai a pé mesmo.

01 julho 2016
Não vale a pena mergulhar nos sonhos e se esquecer de viver. —  Harry Potter e a Pedra Filosofal
E eu desejei um mês incrível, mas mais uma vez me via tendenciosa a continuar estacionada em uma vida mais ou menos, bem morna, daquelas que dá certo calafrio na alma. Até quando eu continuaria me sabotando?

Vislumbrei nas férias um jeito diferente de fazer mais do mesmo. Mas rasguei alguns planos, colori alguma lembranças com tons presentes, e voltei a me questionar: Mas que diabos queria eu da minha própria vida? Porque dos outros é muito fácil saber o que se quer, mas de nós mesmo é que é o negócio. É com esse tipo de resposta que se vai pra frente e se vira gente. Amadurecer dói, mas ficar paralisada enquanto os meses passam é muito mais frustrante, acreditem. O que você tem feito da sua vida? Se tiver um tempinho vago no seu bolso da calça, me empreste ele e venha me contar; prometo que tem biscoito no armário e um bom café para coar. Ora, não se acanhe... Somos mais íntimos do que pensamos; possivelmente enfrentamos as mesmas batalhas diariamente.

Algumas evoluções mentais requerem atitudes radicais, mudanças de panorama. Talvez até eu me choque com as minhas escolhas, mas o que mais me interessa é se eu não vou me envergonhar delas. Se tiver mais de mim em tudo o que faço, já valeu a pena. Posso até apanhar um pouco no começo, afinal ser quem se é, dá um trabalho danado e não tem escola que ensine. O que fazer então? Não sei ao certo, sou péssima em ter respostas. Se descobrir, me conte; eu venho tentando a cada segundo ser cada vez mais esse meu Eu.

Será que você orgulharia de quem eu me tornarei? Nem faço ideia, espero que sim, se você for alguém que se importa comigo. Vou me esforçar o suficiente para que eu me orgulhe do que eu me tornarei. Até dia  31 a Senhorita que sou agora vai ganhar algumas cicatrizes a mais e umas doses a mais de nostalgia. Se tiver nostalgia, valeu a pena, não?

Esquece o sonho da bicicleta Caloi, ela ainda não é sua; esquece o corpo escultural; foca no que queres fazer e faz. Mas faz porque quer, porque te diverte; e não porque tem que fazer. Pois tudo o que se TEM que fazer, na verdade não deveria ser feito... É claro que você descorda, mas pense comigo, não é tudo uma questão de time (ler em inglês por favor!)? Se ainda não se sente que é, simplesmente não é. Há sempre quem diga o contrário, mas esse quem é você?

Nessa dança da vida não seja quem é deixada de lado, isolada no canto do salão. Não precisa também ser o centro das atenções, sabe... Mas curta a música, se movimente como seu corpo deseja, sinta as vibrações. Deixe que Julho te surpreenda, mas não o desaponte sendo só mais um, só Alguém que não é você mesmo.


1 Comentário

  1. Parabéns pelo belo texto! Bem reflexivo!
    Beijos.

    http://jj-jovemjornalista.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

 
Desenvolvido por Michelly Melo.