Páginas

Comida - Afeto e Saúde

02 dezembro 2015

Hoje, estou mais madura e um pouco mais serena. Entendi que não tenho que provar nada, nem ficar tentando agradar sendo quem não sou. Eu sou essa que você está vendo e, sim, tenho falhas. E, sim, sou pura emoção. — Clarissa Corrêa.

É verdade que quero emagrecer. E que é um misto de razões, mas acho que a mais forte de todas é uma rebeldia em ser madura e responsável o suficiente para cuidar de mim, da minha saúde; rebelde porque eu prefiro achar que é questão de estética, do que encarar que a parada é questão de saúde, muito mais séria e que tem consequências muito mais complexas do que a camisa não servir. 

Sempre fui do tipo que come tudo o que quer, mesmo que não possa. Como aqueles pratos (vulgo=) de pedreiro. Mesmo fazendo academia nunca "fechei" a boca.
Mas esse ano saindo da academia, recuperando todos os quilos que tinha perdido em 3 anos, passando pelo estresse no meu primeiro trabalho, com muitos problemas para encarar e frustrações (para quem não desconfia... tenho séria intolerância a frustrações, sério); eu descontei tudo na comida, no descuido e no foda-se.

Foi satisfatório por longos meses, aliviou o sofrimento momentâneo por alguns poucos. E recentemente eu despertei para o fato de que sou uma idiota por estar perdendo tempo acabando com minha vida, sem dar um sentido a ela. Não é mais só questão de emagrecer, ou de ser persistente em atingir a meta dos 68 kgs; é muito mais que isso, é um compromisso, missão. E como diria o Paulo Storani: Missão dada, missão cumprida.
Eu sei conseguir tudo o que quero, me esforço para, quando é realmente algo importante. E agora é. Antes tarde do que nunca.

Vai ser difícil? Vai, e muito. Vou fazer coisas que nunca tinha feito, experimentar novas comidas, me relacionar com a comida de jeitos diferentes, ouvir melhor meus médicos, fazer contas, analisar melhor meus métodos e por sentido em cada um deles...

Mas como mudar tudo isso, sem me mudar completamente?
Bom, meu paladar é infantil, confesso. Mas eu descobri que não é o meu paladar que é metidinho, sou eu que não testo; a comida tem milhares de possibilidades de combinações, não é porque em uma ocasião em que o alimento se apresentou de uma forma que me desagradou, que eu devo desistir dele. Eu vou passar a experimentá-lo de outras formas. Criar uma verdade relação com cada alimento, pois cada um tem suas propriedades e sua importância. É praticamente criar uma relação de amor com cada alimento. Apreciá-lo não só pela sensação que vai deixar no meu estômago, mas conhecê-lo em suas particularidades, saboreá-lo sem presa e aceitá-lo para meu bem. Fora que sou curiosa, e interessada por comida.

Para a minha humilde pessoa comida é sinal de afeto. Sim, sempre pensei assim, comida sempre foi um gesto de carinho, de amor. Talvez pela minha relação extremamente próxima com meu pai... E sempre foi ele que cozinhou. Mesmo quando era minha mãe, eu dava um significado diferente ao ato dela me alimentar: ela é atrapalhada na cozinha, e quando ela cozinha para mim, quando ela tenta, significa que ela se importa comigo, a ponto de fazer algo no qual ela não é bom e detesta fazer... Quer demonstração de amor maior?

Pareço lunática por encarar a comida assim? Talvez seja por isso que gosto tanto de comer... Mas isso não é um problema, pois eu vou continuar comendo, e muito. Só vou mudar os elementos, ampliar o time, e montá-lo para cada refeição da melhor forma possível para vencer as metas envolvidas, que é mais do que emagrecer, é emagrecer com saúde, e descobrir coisas novas, além de amadurecer, e provavelmente aprender a cozinhar. Pois para testar, vou ter que me mexer, porque ninguém fará os experimentos por mim. Criar um paladar totalmente novo e mais apurado.

Quando pensar me emagrecer: pense nos seus por quê's, para quem você está fazendo isso, como você vai fazer se você precisa mesmo fazer, pense se você vai encarar isso como uma transformação natural ou como um sacrifício...
Há muitas questões envolvidas, para sairmos fazendo loucura por ai sem sentido.
E uma dúvida aqui: O que é comida para você?

Nenhum comentário

Postar um comentário

 
Desenvolvido por Michelly Melo.