Páginas

Disseram que nada sabia... Que eu estava errada...

23 janeiro 2016
Ninguém jamais conquistou alguma coisa com lágrimas. — Alice no País das Maravilhas.
Disseram que eu nada sabia da vida, aos 12, 15, 18 e agora aos 20 anos. Se eu não soubesse, não teria chegado tão longe; tem gente que mal chega aos 15 com as próprias pernas; tem gente que não tem a opção de nascer, outros que nem sabem o que é viver além das paredes claras de um hospital. Mas eles sabem tanto quanto eu, quanto você. São saberes diferentes. Imagina que chato se todas as vidas fossem iguais...

Sou das que tem como filosofia de vida, que coisas diferentes não devem ser comparadas, muito menos minuciosamente. Perda de tempo! São diferentes! Têm pontos comuns, e outros bem divergentes. Não levam importância maior, pois cada uma se destaca em sua particularidade.

Também disseram que eu não era diferente.
Mas lá na pré-escola; quando queriam que eu fizesse meu dever de casa, quando eu queria ir a festa que a turma ia, ou dormir na casa da coleguinha, ou simplesmente para eu me comportar e não fazer bagunça; me contaram que eu era diferente, que eu não era os Outros, e que por isso, eu era especial. Pois, veja que contraditório! Quando lhes convêm sou a Diferente; quando não, sou apenas mais um número de RG indo para a tortura do amadurecimento social.

Como se enganam... Ao tentar me limitar, nem dou mais ouvidos.
Aprendi que nem eu conseguiria me definir, se pudesse e fosse intelectualmente capaz; quem dirá quem habita fora do meu mundinho particular, que tem lá seus medos e anseios perturbadores, mas que é governado por uma essência única, exclusivamente, minha!

Pois deixa pensarem que nada sei, nada faço e nada entendo da vida. Como se houvesse apenas uma... Tomei consciência, que sempre terá alguém que aparentará ser mais habilidoso com essas questões do ciclo vital; mas também aqueles que de tão desajeitados, tem uma vida toda doce e leve de ser. No final das contas as escolhas são todas nossas, porque terceiros têm que ficar metendo o bedelho? Sendo que, normalmente, são os que sentem mais dificuldades em levar a vida deles próprios... Ah, se pudessem se ocupar mais de mesmos, se descobririam capaz de muito mais do intrigas da vida alheia...

Disseram que minhas atuais preferências e sonhos são irrelevantes; que eles mudam, somem; e nem vale a pena investir... Desculpe-me por sua arrogância então! Acho que não estou sendo uma boa pessoa perante você, que me diz isso; pois se realmente estivéssemos vivenciando uma relação saudável e construtiva, verias que não é porque tomam outras formas, que não se têm importância. Triste mesmo é não ter ideia para poder mudar, ou coragem para tentar. Vida é movimento! Um ir e vir constante, entre ideias, pessoas, caminhos, sentimentos...

Se eu mudar? Fica agradecida; a mim mesmo, claro! Os créditos não são todos meus, são de quem passou por mim vida, quem nela ficou... A graça toda são dos momentos que vivi e que me moldaram estranhamente como sou.

De uns tempos para cá, tenho me sentido a mais ridícula obra, que foi feita por acidente, cheia de bons agrados e incógnitas curvas que desafiam minha própria existência e manutenção. Nunca me senti melhor! E amanhã repetirei isso em mais pura verdade.


6 comentários

  1. Adorei sua reflexão! E concordo com você, a gente é sempre o que convém para os outros. Um hora somos diferentes, outra iguais. Mas ainda bem que somos seres mutáveis, seria muito chato se pensássemos da mesma maneira de alguns anos atrás. Bjs

    oh, wow, lovely ❁

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato. Agora fico me perguntando até onde nos tronamos aquilo que os outros querem pelo nosso próprio querer... Ou se é por não sentirmos e percebemos que temos outras opções; porque na verdade temos!

      Excluir
  2. Como não gostar da sua reflexão?
    Em sábias palavras você disse o que muita gente quer gritar ao mundo.
    Como canta Raul Seixas: "eu prefiro ser essa metamorfose ambulante/ do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo", e ele sempre esteve, está e estará certo!
    Gostei bastante da sua postagem, e espero ver bem mais reflexões.
    Beijos :)

    http://www.renomeada.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico tãoooooo feliz de que tenha gostado do texto! *-* Não sabe o quanto isso me motiva a continuar...
      Raul sabia o que estava falando... Sem dúvida alguma *-* É uma pena que tanta gente ainda sofra com essas amarras da sociedade ;( Mas eu acredito que esse jogo irá virar, e que muita gente vai finalmente gritar ao mundo como se sente, e que isso irá descarregar boa parte dos problemas que são ditos sem solução.
      Amo seu blog ♥

      Excluir
  3. Quem não se identifica? Sobretudo com a parte inicial!
    É bem verdade e acho que todos nós passamos por isso.
    Gostei especialmente desta frase ''A graça toda são dos momentos que vivi e que me moldaram estranhamente como sou.''
    Beijinhos :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amo essa frase *-* Define boa parte dos meus pensamentos, pelo menos dos atuais...
      Antigamente eu me sentia tão mal por ser diferente, e sentir-me estranha... Mas com a dor que causei a mim mesma, passei a ver graça nisso, a ver o quanto era bom ser assim. Não olhar só os contras, mas olhar os prós, e isso fez minha vida muito mais feliz e inusitada!

      Excluir

 
Desenvolvido por Michelly Melo.