Páginas

Ele do olhar

07 agosto 2016
Diga-lhes principalmente
 que há um oco fulgente num todo escancarado. - Hilda Hilst
Sabe que hoje eu me peguei pensando em você? Foi um flagrante bonitinho, daqueles dignos de musiquinha nostálgica de fundo... Por algum motivo torto, enquanto eu estava em meio a dificuldades e nervosismo em um sábado de manhã, segurando o choro no peito pela raiva que flamejava em tudo o que eu pensava e que me irritava; surgiu você!

Você nem deve lembrar o primeiro "Oi" ou a primeira brincadeira que fez comigo; me admiro eu mesma lembrar, minha memória tem uns pontos falhos que chega a me prejudicar... Mas eu me lembro, de maneira bem resumida. Você foi um dos meus Ele's, o meu Ele do olhar. Nem em mil anos, você poderia adivinhar o porque.

Os românticos de plantão que me desculpem, mas nessa história aqui isso não tem vez. Lamento, porta do romance é mais para o lado, bem mais..."Olhar" é algo mágico, sincero e muito importante; tema de estudos em algumas ciências e principalmente a razão de muitas palpitações cardíacas. Olhar é vida, e eu não sabia disso até você me ensinar. Eu vivia para dentro, diante um reflexo entristecido que não mudava e nem coloria meus dias. Eu não esperava por grandes mudanças, te conheci e nada realmente mudou... Mas agora eu vejo o quanto tinha mudado. Os batimentos cardíacos não aceleram, não sem razão, mas eles ganharam ritmo, um único, só meu.

O "de repente" deve ter sido o elemento chave que me fez seguir suas palavras: "Você tem que olhar nos olhos da pessoa com quem você está falando, sabia?". Era um tom meio repreensivo em meio a brincadeira do momento; você estava tentando roubar algo meu, lembro disso; e eu só olhava para esse algo. Pode ter sido sim uma desculpa para você tentar pegar esse algo das minhas mãos, caso eu me distraísse olhando para você... Mas isso não aconteceu, eu olhei, olhei de verdade, e sustentei o olhar, atenta a tudo que acontecia; e quando você tentou pegar (várias vezes, aliás), eu continuei te olhando, e você a mim, eu ri e ali tinha sido a primeira vez que tinha sustentado um olhar, de verdade.

Sinceramente, a hipótese de ser para pegar o que estava na minha mão me parece bem falha; acredito com o meu coração que você aproveitou a oportunidade para me ensinar a olhar os olhos das pessoas, pois você era muito observador, e sabia bem como eu reagia; você deve ter tido a intenção de me aconselhar mesmo. Obrigada, você me ensinou a ser quem eu sou hoje.

Não que eu seja um super descarada que encara qualquer pessoa, em qualquer situação... Mas eu sei olhar nos olhos de alguém, e sei a importância disso. Comecei a viver desse jeito, porque aprendi isso com você. Você nem deve se lembrar...

Caso um dia eu esbarre em você, pode apostar eu vou olhar diretamente nos seus olhos, e os meus vão mostrar o quão feliz estou por ter te reencontrado, e por você ter me ensinado a falar e entender pelos olhos de alguém.

1 Comentário

  1. Oi querida.
    Passando para avisar que escrevi um textinho inspirada num post seu aqui do blog viu?
    espero que goste. Boa leitura!
    Bjs

    http://www.fiosdenylon.com.br/blog/2016/08/05/a-pequenitude-em-meio-a-imensidao-2/

    ResponderExcluir

 
Desenvolvido por Michelly Melo.