Páginas

Destino Indiscreto e Incerto

13 maio 2014

Música da dia: Panic! At The Disco - The Ballad of Mona Lisa (Acoustic)

“Nada é permanente nesse mundo cruel. Nem mesmo os nossos problemas.”           — Charles Chaplin

E quando não é para ser, simplesmente não é, sabe? Parece que o universo todo conspira, contra ou a favor, ele grita, sinaliza, pula, esperneia, só para avisar a gente que aquilo não vai passar por ele, que aquilo não tem condição de dar certo. Mas lá vamos nós com a cara, a coragem e voltamos frustrados e irritados, à toa.  Deixar ser leve, deixar fluir, além de ser menos cansativo e educativo é bem mais prazeroso, a gente vive mais, vive melhor.
Aprende que a vida dita sim as regras, a vida é sua, e é você quem a dita. Ou seja, para ficar mais claro para os neurônios que ainda fazem hora extra nessa humanidade, no final das contas tudo parte da gente, o problema e a solução, originais do mesmo ponto de equilíbrio, vez ou outra, de desiquilíbrio. Mas quem liga pra equilíbrio, ainda vejo tal como algo relativo; depende muito da interpretação que se dá... Sendo assim, se você sorrir para o problema que é seu, ele vai te sorrir de volta, e ai fica mais fácil amansá-lo, vencê-lo. O ditado é: Conhecer para controlar. E não: Desesperar-se para resolver. Soa até engraçado, mas é a verdade. Os nossos problemas normalmente são menores do que como os vemos. Normalmente, são minúsculos, é como se a gente vivesse com uma lupa que amplia mil vezes uma coisinha minúscula, que existe, mas que não necessariamente é um obstáculo potente.

Nenhum comentário

Postar um comentário

 
Desenvolvido por Michelly Melo.