Páginas

Paixão é o que te move?

06 janeiro 2015

Música do dia: If I never see your face again - Maroon 5 feat Rihanna


Ingênuo era eu, que recebia marteladas e procurava melodia nas batidas. — Sean Wilhelm. 

Já se apaixonou? Acho que a maioria diria que sim. Mas alguém consegue me definir conceitualmente uma paixão? Porque quanto mais penso sobre, mais a vejo como um conceito fragmentado, onde a totalidade é maior do que a soma de todas as suas partes; um conceito que voa e não se deixa aprisionar ou rotular. Algo que não quer ser compreendido, mas sim vivido.
Tendem a separá-la do amor; mas a vejo diferente, ela o compõe, ela é o seu combustível, sabe? Porque o amor é algo ambíguo em si só, ele precisa de algo que o tire do caos, e o leve para outra dimensão. Ela deveria ter esse efeito né? Isolar um pouco da realidade cruel e esmagadora, dando espaço para os sentimentos mais puros e impensados, você acaba agindo sem saber. Talvez seja por isso que dizem que a Paixão é perigosa, mas me atrevo a dizer, que a falta dela é que o é.
Quem vive em constante Paixão -seja por alguém, por algo ou sem motivo aparente- tem aquele ar diferente, parece que flutua, que é imbatível a algumas coisas banais; ousaria dizer que atingem um outro plano de vida. Fica mais notável que sua alma transborda. Acho que a paixão serve também para preencher, e ao mesmo tempo eliminar os excessos que aprisionam uma mente que tem necessidade de ser livre, de voar; a paixão desamarra essas asas e dá o impulso, te convence a ir sem muito olhar para trás. Seria a tentação do caminho já tomado que se sente ameaçado a ser largado por um outro que tem lá seus atrativos.
Não é a toa que tenho medo de me apaixonar por algo ou alguém; mas ai quando vi, já era... Eu já me apaixonei por algo, estou apaixonada por esse algo, se tornou meu único rumo, onde quero chegar, não importa quantas rotas eu precise encarar só na cara e na coragem... Medicina é a minha paixão. Não sei porque a escolhi, ou foi o contrário... Bom, eu também não saberia. É meio nublado o departamento dos porquês, mas eu me enxergo lá, sendo aquilo. Se vai dar certo, ou não, durante todo o percurso é outra questão; e eu sinceramente duvido, sempre tem imprevistos, a rota muda um pouco e se torna mais graciosa. A paixão é o combustível, se depender dela eu chego, a minha vontade é pelo Amor; e a mim, resta me deixar levar.
Vocês já se apaixonaram? Fazem ideia de como é? Os sintomas de tal relação afetiva... Como foi passar por isso? Aliás... já passou? Haha Não sei se é o tipo de coisa que passa, acredito que apenas dê um tempo, ou se transforme em outra paixão com algum nível de semelhança, não?

Nenhum comentário

Postar um comentário

 
Desenvolvido por Michelly Melo.